Envie seu whats:
(54) 99673-0977


VARIEDADES

Quando ser mulher pode custar a vida, as diferenças desaparecemQuando ser mulher pode custar a vida, as diferenças desaparecem

Publicado em 15/10/2018, Por Céli Pinto, Cientista política – UFRGS - GaúchaZH

Somos mulheres brasileiras, somos de esquerda, de direita, de centro ou não temos preferências políticas; somos negras, indígenas, brancas; somos pobres, classe média, burguesas; somos católicas, umbandistas, evangélicas luteranas ou pentecostais, judias, muçulmanas, ateias; somos feministas ou até antifeministas; somos analfabetas, temos o ensino fundamental, o nível superior e até doutorado; somos heterossexuais, lésbicas; somos casadas, solteiras, divorciadas, viúvas; somos mães, mulheres sem filhos; somos jovens, adultas de meia idade, idosas; somos trabalhadoras de toda sorte, somos operárias, domésticas, donas de casa, comerciárias, manicures, professoras, advogadas, médicas, comerciantes; somos do norte, do sul, do nordeste, do sudeste do centro oeste; somos do campo ou da cidade, das capitais ou de cidades muito pequenas.

Somos diferentes entre nós, somos muito diferentes; nossas experiências de vida nos fazem ter interesses e demandas variadas à sociedade, ao estado e aos governos, muitas vezes estamos em claro confronto. Mas há momentos críticos em que somos só mulheres. E isto basta, porque isto é muito. Somos só mulheres quando nosso direito de ir e vir é sonegado. Somos só mulheres quando o futuro de nossos filhos e netos está a perigo; somos só mulheres quando os direitos trabalhistas tão arduamente conquistados estão duramente ameaçados.

Mas somos completamente mulheres quando nossos corpos e nossas próprias existências estão perigosamente ameaçados. Quando estupro é banalizado e nossa segurança depende de um homem nos escolher ou não como troféu por nossa aparência física; estamos completamente ameaçadas quando ao nascer mulher somos vistas como o fracasso de nossos progenitores ao tentar gerar um ser humano. Quando ser mulher pode custar a vida, as diferenças desaparecem e somos apenas mulheres.




Compartilhar: FACEBOOK

Podcasts

Ver + ENTREVISTA Egídio Loregian e Graciela Maito | Presidente e assessora de marketing e comunicação da Cooperativa Majestade
Programa Pílulas de Felicidade | com Maria Adelaide Programa dia 14 de Abril
ENTREVISTA Arthur Calione | Diretor CFC Sananduva